Rua Joaquim Carneiro, 120 - Ed. Deschamps Office - Sala 302
Capoeiras - Florianópolis/SC - CEP: 88085-120
  • (48) 3240-9372
  • (48) 99113-9372

Como preservar a saúde mental em tempos de coronavírus e isolamento social?

Atualmente, o Brasil é o país mais ansioso em todo mundo – um a cada 11 habitantes – e, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), contamos com 16,8 milhões de pessoas que sofrem com a ansiedade

Atualmente, o Brasil é o país mais ansioso em todo mundo – um a cada 11 habitantes – e, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), contamos com 16,8 milhões de pessoas que sofrem com a ansiedade. A depressão, por sua vez, será a maior causa de incapacitação no mundo até o final do ano. Um dos principais sinais dos transtornos mentais é o isolamento social e, diante do cenário causado pelo coronavírus (COVID-19), no qual somos obrigados a ficar em estado de confinamento, será que acabaremos desenvolvendo transtornos de ansiedade e/ou depressão por causa da solidão?

Estamos sendo submetidos a uma dose de estresse e ansiedade extras, uma epidemia do medo, ou melhor, do pânico. Em uma entrevista, a psicanalista Vera Iaconelli, falou sobre a questão e reforçou essa ideia da epidemia do pânico. Segundo ela, o medo vem da ordem de proteção, já o pânico tem causa difusa, não deixando claro o porquê está sofrendo, caracterizando-o como desproporcional, um desespero. E alerta: “se acordarmos pensando nos riscos mundiais e nos nossos, projetando cenários imaginários, com certeza paralisaremos”. Dessa forma, desencadeamos uma avalanche de emoções, com as quais não sabemos lidar. As incertezas do futuro e o pânico do presente nos levam a tomar decisões rápidas – e, muitas vezes, atitudes egoístas como a corrida desenfreada aos supermercados, álcool gel e máscaras.

A tecnologia e a medicina alertam sobre quanto o pânico e o estresse podem contribuir para o surgimento de inúmeras doenças. Um estudo publicado pelo jornal científico East Asian Arch Psychiatry mostrou que 42% dos sobreviventes da SARS (2003), desenvolveram algum tipo de transtorno mental. O estresse pós-traumático foi a condição mais presente: 54,5%, seguida da depressão: 39%.

O volume do serviço de terapia on-line do negócio de impacto social Vittude, aumentou 50% no agendamento de consultas virtuais. Em um serviço norte-americano gratuito de suporte à saúde mental (Crisis Text Line), usuários mencionam palavras como medo, pânico e paranóico para descrever os próprios sentimentos. Um terço das conversas do serviço envolve ansiedade e aumentou mais de 40%, em março.

A OMS informou que a atual pandemia possui 191.127 casos confirmados e 7.807 mortes. Após a recuperação, essas pessoas podem desenvolver transtornos ansiosos e depressivos por conta do estresse e do isolamento. Com isso, poderemos ter números maiores que estes, se não começarmos a pensar e falar sobre saúde mental.

Todos fomos convocados a colaborar e atuar de forma tranquila, com os pés no chão e responsabilidade, sem transmitir pânico e colocar esta pandemia como o grande risco da humanidade. Agora é hora de procurar o sentido da máxima “toda crise é uma oportunidade” e quais seriam essas oportunidades?

Consigo, no momento, enxergar duas oportunidades claras. Primeiro, a de empresas que são avessas a trabalho remoto, em todas as conjunturas, tendo a necessidade de utilizar do recurso do home office e da tecnologia. A consequência: menos trânsito, menos emissão de CO2 e fortalecimento do comércio local. E a brecha que a sociedade aclamava: desaceleração e mais tempo, principalmente, aquele perdido no trânsito. Mas, o que fazer com esse presente? Que tal aproveitar para cuidar de você?

Para passar esta fase com tranquilidade – sim porque isso vai passar –, cuidando da nossa saúde da mente e dos ao nosso redor, gostaria de sugerir algumas práticas.

  • Escolher uma hora do dia para se informar (escolha um canal confiável): assistir incessantemente notícias pode colaborar para uma pandemia de estresse.
  • Espalhar boas notícias: como a vitória chinesa na regressão da epidemia e informações científicas confiáveis.
  • Fortalecer o senso de coletividade e solidariedade em esfera global.
  • Fazer exercício: use a imaginação, limpe a casa e aproveite para se exercitar, use aplicativos de exercício em casa ou vídeos do Youtube; exercitar-se ajuda a manter a sua saúde mental.
  • Desconectar-se do mundo paralelo e, por vezes, imaginário das redes sociais, além de sair de grupos paranóicos.
  • Praticar atividades que deem prazer como ler um livro, ouvir música, meditar e respirar.
  • Organizar fora e dentro: aproveite o tempo livre para arrumar suas coisas, organização externa ajuda a organização interna.
  • Manter suas relações: ligue para seus amigos, familiares e para quem vive sozinho, essa rede de suporte pessoal é essencial.
  • Curtir o momento tão desejado com seus filhos para terem interações reais.
  • No home office, procure criar uma rotina: nosso cérebro reage a falta de planejamento, portanto, estabeleça uma rotina, eleja um horário de acordar, vista-se, faça um planejamento do dia seguinte na noite anterior.